29.7.10

Existence


Hoje eu vi o tempo; ele beirava o horizonte, vestido de branco e com os pés descalços; no seu rosto, estampava marcas de expressão de quem viveu milênios sem saber ao certo o porquê de sua existência. O observava de longe, com medo do seu medo; quando uma jovem o abordou:

- Senhor, o que lhe aflige?

- A existência minha cara.

- De fato, a existência aflige a todos, mas não é algo questionável. O tempo passa, e nunca descobrimos, o porquê existimos. E sabe por que não entendemos senhor? Porque fazemos a pergunta errada; esqueça o porquê! Pergunte-se como, onde e até quando; se não encontrar as respostas, arrisque; se der errado, tente de novo. Nunca saberemos, porque o tempo passa. Acredito que nem mesmo ele saiba. Mas isso não importa, porque quando você acredita, o tempo se torna seu aliado, e dança com você, uma valsa lenta e sonora, a cada passo.

2 comentários:

Cris. disse...

Magnifico *-*

Milena disse...

Belíssimos textos...